Nova ImagemSabe aquele livro que vale a pena, que te coloca a par de uma história real e inspiradora? Pois é, este livro é a indicação de leitura de hoje: “Ensinando a Transgredir: a educação como prática da liberdade” de Bell Hooks – 2013. Recebi este livro da Editora WMF MARTINS FONTES, uma das parceiras aqui do Blog na fomentação da leitura e da qualificação do nosso trabalho – (Para saber mais sobre as resenhas, acesse AQUI ).

É um livro voltado aos profissionais da educação, mas considerei relevante a leitura devido as atividades de caraterística socioeducativa nos Serviços de Convivência e Fortalecimento de Vínculos e PAIF. Ou apenas para ampliar a visão crítica sobre os processos de ensino, porque também cabe a nós cidadãos e profissionais termos condições de dialogar e defender uma educação de qualidade, ou melhor, defender processos emancipatórios que verdadeiramente propiciem condições aos sujeitos para o exercício de uma cidadania plena.

Um ponNova Imagem nto muito legal do livro é a consideração da autora acerca do trabalho de Paulo freire. O qual a inspirou e a encorajou a fazer uma educação libertadora.

“Desde o começo, foi a insistência de Freire na educação como prática da liberdade que me encorajou a criar estratégias para o que ele chamava de “conscientização” em sala de aula (…) entrei em sala de aula convicta de que tanto eu quanto todos os alunos tínhamos de ser participantes ativos, não consumidores passivos”. Pág. 26

Em ‘Ensinando a transgredir’, Bell Hooks – escritora, professora e intelectual negra insurgente – escreve sobre um novo tipo de educação, a educação como prática da liberdade. Para hooks, ensinar os alunos a “transgredir” as fronteiras raciais, sexuais e de classe a fim de alcançar o dom da liberdade é o objetivo mais importante do professor.

O Racismo é um dos pontos marcantes no livro, é emocionante testemunhar através de sua escrita, a sua luta e posicionamento e de muitas mulheres negra, frente a segregação entre brancos e negros.

” Não é fácil dar nome à nossa dor, teorizar a partir desse lugar”. Pág.103

E é claro que essa reflexão pode nos servir de suporte a várias tentativas de fazer um trabalho crítico nas atividades socioeducativas do SUAS pautados na transformação social e emancipação do sujeito, das famílias e da sociedade. O que acham?

Com certeza este livro nos inspira a fazer diferente e a fazer diferença! E como a própria Bell afirma, Paulo Freire é um grande aliado para nos ajudar a enxergar e ler a realidade social.

Ensinando a transgredir: a educação como prática da liberdade. WMF Martins Fontes, 2013. 283 p. HOOKS, bell

Site da Editora: WMF Martins Fontes

Boa leitura! 😉

Anúncios