Blog Psicologia no SUAS

Seja bem-vinda/o ao Blog de encontro para quem constrói o SUAS!

Contato

Entre em contato com a autora (Para palestras, cursos, supervisão técnica, anunciar no Blog e outros) Contatos:E-mail: psicologianosuas@gmail.com – Skype: rozana.fonseca –  FACEBOOK –  TWITTER ou Formulário abaixo. Para saber sobre os serviço ofertados, Clique AQUI

Se preferir, e dependendo do assunto, deixe seu comentário abaixo! 

Anúncios

55 comentários em “Contato

  1. Boa Tarde Rozana Fonseca,
    Primeiramente venho parabenizá-la pelo seu blog(grande espaço para discussão),estou com um grande desafio profissional como Coordenadora dos benefícios eventuais,transferência de renda e trabalho locada na Sec.de Assistência Social do Município.Estou com duvidas em relação aos benefícios eventuais,gostaria se possível alguns materiais,indicação de livros algo que me norteasse…Ficarei grata.

    Curtir

    1. Eu também me interesso muito em materiais pertinentes aos benefícios eventuais.
      Aproveitando o ensejo, se tiver indicação em relação a Segurança Alimentar e Nutricional no âmbito da Assistência Social, ficarei imensamente grata!!!
      Abraços

      Curtir

  2. Bom dia ,,
    OI ROSANA! FUI CONVIDADA PRA FAZER PARTE DE UM DOS EIXO DA CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL. ESTOU PERDIDA NOS CONTEÚDOS SEM SABER POR ONDE COMEÇAR, POR FAVOR VC PODE ME AJUDAR?
    FIQUE COM O EIXO 01 A Proteção social não contributiva e o preincipio da equidade como paradigma para a gestão dos direitos socios assistenciais.

    Curtir

  3. OI ROSANA! ESTOU ATUANDO POR A PRIMEIRA VEZ NO CRAS, E AGORA FUI CONVIDADA PRA FAZER PARTE DE UM DOS EIXO DA CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL. ESTOU PERDIDA NOS CONTEÚDOS SEM SABER POR ONDE COMEÇAR, POR FAVOR VC PODE ME AJUDAR?
    FIQUE COM O EIXO 3; ACESSO ÀS SEGURANÇAS SOCIOASSISTENCIAIS E A ARTICULAÇÃO ENTRE SERVIÇO, BENEFICIÁRIOS E TRANSFERÊNCIA DE RENDA COMO GARANTIA DE DIREITOS SOCIASSISTENCIAIS.
    COMO DEVO SEGUI?

    Curtir

  4. Cara Rosana,

    Trabalho em uma Pestalozzi e necessitamos fazer um Centro de Vivencia e Fortalecimento de Vínculos com Pessoas com deficiência mas para Deficiência Intelectual e Multiplas, gostaria se possível de materiais ou algo sobre o tema. Implantação do Serviço

    Att

    Wendel Rengel – Asssitente Social

    Curtir

  5. Olá, primeiramente parabenizar pelo trabalho e pelo site.
    sou psicólogo e fui convidado para ser técnico de referencia do SCFV, eu assino como psicólogo ou como técnico? quais as principais atribuições? executa funções com PAIF? Desde já agradeço.

    Curtir

  6. Olá Rozana, boa tarde Há pouco descobri o seu blog e tenho achado super interessante suas postagens que tem me ajudado muito sobre conteúdo e trabalho nesse meu início de carreira, com suas sugestões de atividades e bibliografia. Sou psicóloga, comecei este ano a trabalhar em um Lar de idosos e vejo como é importante a relação entre a Psicologia e a Assistência Social. Como ainda sou novata nos estudos e principalmente prática na área, tenho me deparado com uma dúvida cruel, com relação ao contato dos familiares com os idosos do Lar, tenho me perguntado, será que é certo ligar, procurá-los e tentar trazê-los para próximo de seus familiares? Sabendo, que muitos destes são esquecidos lá e perdem o contato com a família pelos mais variados motivos. Gostaria de saber sua opinião sobre o assunto. E também se você já fez algum trabalho de integração com familiares e idosos afastados do convívio, ou se tem alguma sugestão. Desde já lhe agradeço.

    Curtir

    1. Oi Bruna, obrigada por deixar sua opinião sobre o Blog e por participar deixando seu comentário.
      Bom, o direito a convivência familiar e comunitária tem que estar na base do acompanhamento familiar em todos os serviços. Como sabemos que a lógica de acolhimento de idosos foi reorganizada há poucos anos, ainda tem muitas “casas lares” que receberam idosos que ainda tinham vínculos com a família, mas foram aos poucos ficando sem o direito a convivência familiar (não sei qual é o contexto e dinâmica da casa lar que você se refere). Mas, mesmo com pouco que consigo pensar sobre a situação que você colocou, acho fundamental estabelecer contato e interação com a família (uma vez que foi colocado que esses idosos têm a família), mas tudo isso tem que ser acompanhado caso a caso, pois dependerá da vontade e da história de cada idoso. Conflitos familiares e falta de entendimento ou tomada da responsorialidade de cuidado são alguns motivos que levavam os idosos às instituições de acolhimento, por isso, tudo precisa ser feito aos poucos, respeitando o idoso e trabalhando junto com a família sobre as condições de cuidado e de restabelecimento do vínculo, se for o caso.
      Se puder trocar mais informações, eu agradeço. Espero que faça algum sentido minha resposta.
      Um abraço.

      Curtir

      1. Olá Rosana
        Me desculpe pela demora em responder…
        Foi de grande valia sua pontuação, e estou vendo na prática como cada situação tem sua particularidade como disse, portanto a importância de se considerar os casos individualmente e na medida do possível, estou buscando o aproximamento e o restabelecimento dos vínculos .

        Grata pela resposta e retorno de minha dúvida.

        Se possível, gostaria de algumas sugestões para o trabalho em grupo com os idosos, algum site, blog ou similar que você conheça e siga, que tenha sugestões de atividades.

        Grata.

        Curtir

  7. Oi, Rosana!
    Atuo a pouco tempo no CRAS e sei que o serviço de psicologia desta instituição destina-se a promoção de autonomia do sujeito. Entretanto, um psicólogo da saúde informou que, por motivos específicos, não podia continuar atendendo um paciente e perguntou se poderia encaminhá-lo para nossa instituição. Isso é possível?

    Curtido por 1 pessoa

    1. Oi Zaída, esse sujeito/cidadão pode sim ser encaminhado ao serviço do CRAS, mas não a um “atendimento psicológico” porque isso não é ofertado no CRAS. É importante que isso seja conversado com a outra profissional para que esclareça ao “paciente” qual seria o serviço a ser encaminhado na rede para evitar falsas expectativas e ele poder decidir se quer participar das ações do CRAS ou não.

      Curtir

  8. Ola Rozana, boa tarde.. Sou estudante de psicologia da Universidade FUMEC .. Estou fazendo um trabalho acadêmico onde tenho que entrevistar um Psicologo do Creas ou CRAS ..Gostaria de saber é possível você me ajudar respondendo as minhas perguntas?

    Atenciosamente

    Vivian Danielle.

    Curtir

  9. OLÁ ROZANA! SOU PSICÓLOGA E TRABALHO EM CRAS..GOSTARIA DE SABER SE VOCÊ FORNECE SUPERVISÃO. SE SIM, COMO É FEITO? OBRIGADA!

    Curtir

  10. Boa tarde Rozana,
    Solicito sua orientação sobre acompanhamento para medidas socioeducativas em liberdade assistida e/ou prestação de serviços a comunidade. Iniciamos os trabalhos há pouco tempo na Gestão de Medidas em nosso pequeno município (7000 habitantes). Poderia ser realizado uma orientação da sexualidade ou profissional, poderia ser em grupo ou individual…Desde já agradeço pelos materiais postados, nos auxiliam muito!

    Curtir

    1. Oi Patrícia, O serviço de Proteção Social Especial para os Adolescentes em Cumprimento de Medida Socioeducativa de
      Liberdade Assistida (LA) e de Prestação de Serviços à Comunidade (PSC) deve seguir os princípios do SINASE e as orientações do serviço pelo SUAS. Antes de você devifinir quais os temas a ser trabalhado com o jovem, você e sua colega de trabalho precisará realizar as seguintes ações: Acolhida, Plano de Individual de Acompanhamento (PIA) – esse instrumento, servirá de subsídio para a elaboração de relatório a justiça. Depois dessas etapas serão desenvolvidas as atividades individuais e coletivas de acordo com os interesses e demandas identificadas. O SIte do MP do Paraná tem muitos materiais que orientam as medidas socioeducativas, veja:http://www.crianca.mppr.mp.br/modules/conteudo/conteudo.php?conteudo=1176 e veja também as orientações do MDS:http://www.mds.gov.br/assistenciasocial/protecaoespecial/mediacomplexidade/perguntas-e-respostas/arquivos/servico-de-protecao-social-a-adolescentes-em-cumprimento-de-mse-de-la-e-psc.pdf

      Depois vou fazer um Post sobre este assunto! por ora, espero ter ajudado! um abraço

      Curtir

  11. oi Rozana!
    Sou “ainda” estudante de Serviço Social estou estagiando no Nasf- Núcleos de Apoio à Saúde da Família porém em muitas cidades são ainda desconhecidos; como sou curiosa estudo psicologia por mim mesma pois tenho uma filha Autista e para descobrir o que ela tinha ingressei na faculdade mas como disse minha tutora eu não ia resolver nada so complicar ou me frutar então optei por Serviço social pq muitos ainda estão leigos sem saber dos seus direitos, e gostaria de contribuir no que eu puder para minimizar o minimo a desigualdade social. Adorei teu blog comecei a ler no primeiro dia quando me vi passei a manhã toda rsrsrsr. vc poderia postar algo sobre o campo “Nasf”, os projetos ou atividades do assistente social e psicólogos em parceria neste setor, obrigada .
    Margareth Barreto

    Curtir

    1. Oi Margareth,

      Seja muito bem-vinda sempre e tomara que continue gostando de passar horas por aqui! rsrsrs

      Interessante seu percurso, realmente a Psicologia no contexto pretendido não adiantaria. Sua filha está realizando psicoterapia?

      EU não tenho materiais sobre o NASF, mas em uma busca rápida eu localizei alguns artigos e a cartilha do CREPOP/CFP, por isso, imagino que você poderá encontrar bons materiais em mais pesquisas. Veja:
      O SURGIMENTO DO NASF E A ATUAÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL:http://www.cress-mg.org.br/arquivos/simposio/O%20SURGIMENTO%20DO%20NASF%20E%20A%20ATUA%C3%87%C3%83O%20DO%20SERVI%C3%87O%20SOCIAL.pdf ——
      O SERVIÇO SOCIAL NOS NÚCLEOS DE APOIO A SAÚDE DA FAMÍLIA DE CAMPINA GRANDE/PB E JOÃO PESSOA/PB: ALGUMAS REFLEXÕES: http://www.inicepg.univap.br/cd/INIC_2011/anais/arquivos/0132_0685_01.pdf

      Psicologia nos núcleos de apoio à saúde da família em Belo Horizonte:http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1414-98932013000300002&script=sci_arttext

      PRÁTICAS PROFISSIONAIS DE PSICÓLOGOS E PSICÓLOGAS NA ATENÇÃO BÁSICA À SAÚDE: http://crepop.pol.org.br/novo/wp-content/uploads/2011/02/Praticas_ABS.pdf

      Um grande abraço

      Curtir

  12. Boa noite!
    Rozana, pesquisando sobre filmes, vi algumas indicações do blog gostei muito, assisti Querô, gostaria de indicar o filme a Mulher do pastor baseado em fatos reais, o que eu assimilei no filme foi a violência contra mulher, questões religiosas, e uma excelente atuação do advogado de defesa. Sou aluna do curso de Serviço Social.
    Sucesso!!

    Curtir

  13. Oi Rozana, como vai? Parabéns pela iniciativa de criar este site tão útil para os profissionais da área e mesmo interessados!
    Sou psicóloga e acabei de começar em um CRAS em Cabreuva, SP.
    Tudo é muito novo pra mim e tenho muitas dúvidas sobre meu papel no local. Estou lendo várias coisas, já comprei alguns livros mas mesmo assim estou com um ponto de interrogação na minha cabeça!
    Agradeço no que voce puder me ajudar!
    Um abraço

    Curtir

  14. Boa noite Rozana, meu nome é Zoraida e estou atuando como Psicóloga em um CRAS, interior do Paraná. Assisti sua fala recentemente no evento on-line do CFP e gostei muito; vejo como é difícil o acesso para quem vai trabalhar no interior, ainda bem que existe o meio virtual; já procurei muita coisa sua no blog. A minha angústia é em relação ao reordenamento dos SFV. Já pesquisei alguma coisa e não encontrei nada. A minha dúvida, estes grupos que já estão formados e funcionando, será que poderá ser unidos as outras pessoas que vão frequentar ou será formado outros, com variável de tempo para começar e terminar já que são “fortalecimento de vínculos”? Pensei algo, se o Psicólogo já faz o trabalho em grupo, então estes novos grupos, não será necessária a presença do Psicólogo sempre? Qual será a função deste, no reordenamento?
    Grata,
    Zoraida.

    Curtir

    1. Oi Zoraia, bem-vinda ao Blog! que bom então, vamos manter contato!
      Bom, o reordenamento não mudou acerca do técnico de referencia do CRAS. Os grupos que o psicólogo ou assistente social desenvolvem no PAIF não é a mesma coisa do SCFV, pois são serviços diferentes. o SCFV complementa o PAIF e o papel do tecnico de referencia, sumariamente, é acompanhar as famílias, coordenar encontros intergeracionais e orientar os profissioanais de nível médio que desenvolvem as atividades com as crianças/adolescentes.
      Você já leu estes materiais? acredito que possa tirar algumas dúvidas: https://craspsicologia.files.wordpress.com/2013/04/passo-a-passo-reordenamento-scfv.pdf;

      https://craspsicologia.files.wordpress.com/2013/04/cnas-2013-001-21-02-20133.pdf

      https://craspsicologia.files.wordpress.com/2013/04/slide-reordenamento-scfv.pptx;

      https://craspsicologia.files.wordpress.com/2013/04/apresentac3a7c3a3o-reordenamento-scfv-23102012.ppt

      Curtir

  15. Olá Rozana, gostaria que você abordasse no blog e redes sociais uma questão muito séria, relacionada ao abuso de poder das autoridades do poder jurídico (juízes e promotores) e suas solicitações e cobranças de relatórios psicossocias de famílias que não são demanda do CRAS (como casos de adoção, por exemplo). Eu e demais colegas estamos sofrendo com esse tipo de perseguição e sendo ameaçados sob alegação de desobediência!

    Curtir

    1. Oi Natália! vou escrever alguma coisa sim, obrigada pela participação!
      Mas, tendo em vista o seu contexto, aciona o Conselho ( você é psicóloga ou assistente social?) e ao sindicato também. Se vocês não conseguem serem ouvidas e respeitadas, precisam usar outras estratégias!!
      Boa sorte e não desanime! a luta continua… bjos

      Curtir

  16. Olá Rosana! Parabéns pelo blog! Sou Assistente social de um abrigo de idosos,temo aqui um grupo de convivência, que a cada sexta realizamos um encontro, amei a sugestão da colcha de retalhos, vamos utiliza-la esse mês, gostaria se possível desse livro de dinâmicas, que você sugere, mas, está desativado.
    Obrigada

    Curtir

    1. Oi Naiara! Obrigada.

      Pelo conteúdo de seu comentário, devo pedir desculpas pela demora na resposta.
      Como você comentou na página “contato” eu não consigo saber qual livro você se refere. Se ainda tiver interesse, favor retornar!
      um abraço e bom trabalho

      Curtir

  17. Boa Tarde!
    Sou psicóloga e atuo em uma cidade bem pequena Altair, a cidade possui CRAS mas não tem CREAS e eu fui designada a ficar no orgão gestor da assistência para atender os casos de média complexidade. A cidade tem muitos casos de violência sexual infantil e eu gostaria muito de fazer uma capacitação ou curso nessa área. Alguém sabe ou pode me sugerir algum?
    Grata.
    Viviana

    Curtir

  18. OI Rozana!mas uma vez estou aqui nesse espaço que acho maravilhoso,pois é de muita ajuda pra quem está começando.vejo poucos falarem do profissional pedagogo,sua atuação,seu papel nos CRAS?estou sempre visitando esse espaço e fico maravilhada com tantas informações,me sinto privilegiada.Um abraço!

    Curtir

    1. Oi Auricélia! que bom, sempre recebo sua participação! de fato, não temos posts abordando o profissional formado em pedagogia ! mas nos conte como é sua atuação aí. Creio que será muito útil!
      um abraço

      Curtir

    2. Olá..sou psicóloga do CRAS, o qual está sendo implantado agora nessa cidade, por isso sou a primeira psicóloga a trab aqui, mas não tenho experiência nessa área. Gostaria q me enviasse seu projeto RET e o q puder enviar para q eu possa estar lendo e aprendendo para desenvolver um bom trab aqui. Li algumas publicações suas q adorei…Grata.

      Curtir

  19. Olá, Rozana! Tudo bem?
    Me chamo Bruna, e estou me formando em Psicologia em Maio.
    surgiu uma proposta de emprego para mim, em que eu ficaria locada na própria secretaria de Assistência Social.
    No entanto, na minha formação há um déficit em relação à saúde coletiva, caso você escolha (você é obrigado a escolher entre um e outro) atuar na clínica, excluindo as possibilidades de estágio na coletiva.
    Fui em alguns profissionais de minha cidade saber sobre este cargo, mas percebi que o trabalho não era realizado como deveria ser, e não gostaria de reproduzir feitos que deixam a desejar.
    Eu adoro ler SUAS postagens, suas atividades e as leituras que você recomenda. No entanto, gostaria, caso fosse possível, que você me falasse como seria a atuação do psicólogo na própria secretaria de assistencia social, bem como me indicar leituras que venham me dar um maior suporte para esse meu novo desafio.
    Desde já agradeço muito.
    Abraços.

    Curtir

    1. Oi Bruna! isso que é alegria!! antes de formar, já ter trabalho esperando… é muito bom trabalhar logo que formamos! as pressões da família e sociedade são grandes! rsrs boa sorte!

      Qual a função que você desempenhará na SEMAS? porque seu cargo direcionará quais competencias/atribuições você terá! ME RETORNE!!

      Mas, já posso sugerir os materiais a seguir, porque provavelmente você precisará de orientações destes insrumentos:
      Clique neste links e você terá acesso a vários materiais especificos
      https://craspsicologia.wordpress.com/leitura-cras-e-creas/
      https://craspsicologia.wordpress.com/papel-do-psicologo-no-cras/
      https://craspsicologia.wordpress.com/papel-do-psicologo-no-cras/trabalho-no-cras-sua/

      Por or é isso e aguardo seu retorno!

      Curtir

  20. Boa tarde Rozana!
    Inicialmente gostaria de parabeniza-la pelo blog,uma excelente iniciativa!É um prazer tê-la como colega de profissão e parceira nesta longa caminhada!Sempre busco orientações no seu blog,têm sido um grande norteador!Bom,gostaria de saber se tem alguma normativa sobre a carga horária do psicólogo no CRAS e se tiver será que posso usá-la como respaldo para minha carga horária?

    Desde já,agradeço!

    Curtir

    1. Nathienne! agradeço pelo carinho e fico feliz em saber que você está sempre aqui!

      A carga horária do psicólogo nos Cras varia de acordo com o contrato realizado pela Secretaria, o qual será realizado de acordo com o contexto da oferta do serviço. Sabemos que o funcionamento do CRAS, de acordo com a Tipificação é de 40 horas semanais. Assim a equipe deverá responder a esta diretriz. Mas tem alguns Cras que contratam duas equipes, cada uma com 20 horas – O que não é muito eficaz. Atualmente com a carga horária dos Assistentes Sociais, firmada em 30h, está ocorrendo desequilíbrios na organização das equipes.
      Enquanto não tivermos uma Lei referente a carga horária dos psicólogos, as Prefeituras realizarão concurso/contratação de acordo com a organização de trabalho de cada gestor.
      Um abraço

      Curtir

  21. Querida colega, parabéns por esta iniciativa de criar um site tão útil, norteando os passos daqueles que estão diante do desafio de coordenar ou participar como técnico de qualquer um dos programas de Assistência Social do Governo Federal.
    Gostaria de tirar uma dúvida: Percebi que cada programa tem o seu coordenador. Então pergunto: existe a função de coordenador geral de todos os programas ou isso fica a critério do gestor municipal? Se há, vc poderia indicar as atribuições dele e sua remuneração?
    Agradeço desde já a sua colaboração.
    Abraço

    Curtir

    1. Obrigada Gianna! que bom que gostou deste espaço, participe sempre!

      Quanto a sua dúvida, eu diria o seguinte:
      Após consultar a NOB-RH, não encontrei nada especifico quanto aos cargos referentes a coordenação das proteções sociais (básica e especial) imagino que você se refere … ou não? Contudo temos a definição das atribuições do gestor municipal, que explicita que o Gestor definirá os cargos/profissionais de acordo com a necessidade local e com os serviços, programas, projetos implantados.
      Considerando a Tipificação vemos que os serviços socioassistenciais são executados em diferentes níveis de proteção social e que ainda se subdividem. Assim, a oferta do Serviço de Proteção social básica exigirá um coordenador-Diretor, outro coordenador para a proteção especial de média complexidade e outro para a alta complexidade. Aqui no Município, cada proteção e seus níveis tem uma coordenação, as quais estão supervisionadas-ligadas ao uma coordenação geral/assessoria técnica da Semas. E como está na NOB-SUAS, cada unidade ofertante dos serviços tem um coordenador.
      Quanto a remuneração, é sabido que não há um parâmetro e com certeza deve variar muito de um Município para outro. Um dos motivos é a falta de concurso público, o que parece ser mais significativo nos cargos de gestão.
      Entendo que os cargos de gestão (Direção-coordenação) necessários serão conforme o volume de serviços socioassistenciais implantados no Município. Para complementar e adiantar a leitura, vou deixar abaixo, um trecho da NOB-RH:
      IX.4. RESPONSABILIDADES E ATRIBUIÇÕES DOS GESTORES
      MUNICIPAIS
      1) Dotar a gestão de uma institucionalidade responsável, do
      ponto de vista operacional, administrativo e técnico-político, criando os meios para efetivar a política de assistência social. Destinar recursos financeiros para a área, compor os quadros do trabalho específicos e qualificados por meio da realização de concursos públicos.
      2) Criar diretriz relativa ao acompanhamento, em nível municipal, da implantação da NOB-RH/SUAS.
      3) Contratar e manter o quadro de pessoal necessário à execução da gestão e dos serviços socioassistenciais.
      4) Instituir e designar, em sua estrutura administrativa, setor e equipe responsável pela gestão do trabalho no SUAS.
      5) Elaborar um diagnóstico da situação de gestão do trabalho existente em sua área de atuação, incluindo os seguintes aspectos:
      a) quantidade de trabalhadores, por cargo, da administração direta e indireta, os cedidos de outras esferas de gestão
      e os terceirizados;
      b) local de lotação;
      c) distribuição por serviços, por base territorial, comparando-os com o tamanho da população usuária, por nível de proteção social (básica e especial de média e alta complexidade);
      d) categorias profissionais e especialidades;
      e) vencimentos ou salários pagos por categoria profissional ou por grupos ocupacionais, vantagens e benefícios;
      f) qualificação/formação;
      g) número de profissionais que compõem a Secretaria Executiva do CMAS;
      h) número de profissionais que compõem equipe de monitoramento
      e avaliação;
      i) número de profissionais que compõem a gestão do FMAS;
      j) número de profissionais que compõem a equipe responsável pela capacitação;
      k) número de profissionais que compõem a equipe de monitoramento e assessoramento à rede conveniada.
      l) número de profissionais que compõem a equipe de monitoramento e avaliação do BPC;
      m) número de profissionais que compõem a equipe do sistema
      de informação e monitoramento;
      n) outros aspectos de interesse.

      Espero que tenha ajudado! um abraço

      Curtir

  22. oi Rozana, sou psicologa vou começar a trabalhar no CRAS em janeiro de 2013, vou trabalhar com grupo de crianças e Projovem, gostaria q vc me enviasse algum projeto pra trabalhar com esses dois grupos, não tenho nenhuma experiencia em Cras, estou preocupada pois quero desenvolver meu trabalho com eficiencia. Quero de dar os Parabens pelo blog.

    Curtir

  23. Olá Rozana!
    No caso seria um grupo específico somente para trabalhar usuários de álcool e outras drogas. como CRAS trabalha a nível de prevenção primária, não sei se isso seria possível ou não. Obrigada pelo retorno.

    abraço!

    Curtir

    1. Oi Aline, as famílias com membros em uso abusivo de Álcool/drogas são público alvo-prioritário para acompanhamento sistemático pelo PAIF ( e na maioria dos casos são aqueles acompanhamentos mais particularizados e que requerem uso de estratégia de atendimento por visita domiciliar), pois o uso abusivo pode estar atrelado a outras vulnerabilidades sociais ou desencadeá-las. Mas tem uma postagem aqui no blog com um documento novo do MDS sobre a perspectiva do SUAS quanto ao trabalho integrado necessário para a prevenção e tratamento dessa problemática ( eu esqueci de postar o link no outro comentário)
      https://craspsicologia.wordpress.com/2012/06/03/suas-perspectivas-para-o-trabalho-integrado-com-a-questao-do-crack-e-outras-drogas/
      abraços e bom trabalho

      Curtir

  24. Boa Tarde Rozana!
    Primeiramente gostaria de parabenizá-la pelo excelente espaço de discussão sobre a psicologia no SUAS disponibilizada através dete meio. A pouco tempo estou trabalhndo no CRAS e por meio daqui tenho buscado algumas orientações.
    A questão que eu gostaria de saber é a seguinte, como poderia ser realizado algum grupo que aborde o assunto de alcool e outras drogas nas serviços oferecidos pelo CRAS?

    Desde já, obrigada!

    Curtir

    1. Oi Aline! muito obrigada!
      Você gostaria de realizar uma atividade dentro de algum grupo já existente ou seria um grupo específico para trabalhar este assunto? não entendi – eu acredito que possa ser um tema a abordar em grupos diversos (crianças, adolescentes, adultos, idosos e intergeracionais).
      Aguardo seu retorno
      um abraço

      Curtir

Comentários

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: