Por que meu projeto virou tema de minha Monografia no curso de Especialização em Gestão Social?

Aquisições Sociais dos Usuários do Suas através de um Projeto de Reciclagem no CRAS de Eunápolis/Ba –

Quem acompanha o blog , provavelmente já passou por algum link, comentário ou post sobre o Projeto Ret: Recolher e Transformar que desenvolvi com os usuários do PAIF no Cras onde atuo.  Muitos leitores me pedem o envio do Projeto, eu sempre encaminho ou deixo o link para acesso, mas confesso que era sempre preocupante, porque o projeto enviado era uma versão de 2010 e sem nenhuma informação do andamento e desenvolvimento de fato do projeto. Só não ficava mais preocupada porque junto encaminhava uma apresentação ppt com etapas e dados atualizados do Projeto e resumo do trabalho que apresentei  no VII Congresso Norte e Nordeste de Psicologia em Salvador, 2011 na modalidade Experiência em Debate.

Pois bem, o projeto virou tema de minha monografia do curso de Especialização em Gestão Social e quero deixá-la aqui porque sei que está bem mais completa e atualizada e ajudará vocês a entenderem os objetivos e porque o considero uma ferramenta de trabalho com grupo socioeducativo pelo PAIF.

Mas antes, quero proferir algumas palavras e fazer uma nota sobre a implantação do Projeto. Tenho amor, dedicação por este projeto e quero dizer porque.

Tudo começou por um questionamento e necessidade individual. Que destino dar para os resíduos sólidos que minha família produz? a cidade tem apenas uns 15% de saneamento básico, quem dirá coleta seletiva! o que fazer? passei a separar o resíduo sólido reciclável do orgânico, já é um passo, mas não estava bom.

Diante de tantas besteiras ditas a respeito de preservação ambiental – é ideia de top model sobre xixi no banho, polêmicas e inverdades quanto a disponibilização de sacolas plásticas pelos supermercados, sensacionalismo e mídia responsabilizando indevidamente a população por desastres naturais, entre outras falácias –  resolvi tomar um atitude. Ao invés de tentar fazer as “boas maneiras” divulgadas pelos ambientalistas extremistas e jornalistas, a julgar por sua maioria, desinformados, os quais divulgam mentiras e atitudes utópicas quanto a preservação do Meio Ambiente, decidi agir com o algo concreto e comum a todos, inclusive aos ambientalistas.

A destinação adequada do lixo que eu e meu marido produziámos passou a ser o problema. Qual solução? o que fazer? meu marido que é Biólogo, no início, antes do projeto ir para o papel, alertou que o mesmo seria de difícil execução, e se tornou o grande colaborar técnico do Projeto e responsável pela parceria para o transporte do material.

SOLUÇÃO

Se meu trabalho consiste em potencialização da comunidade, favorecer e promover aquisições sociais da famílias, trabalhar com conceito de cidadania, direitos civis e sociais, porque não desdobrá-los e inserir  Meio Ambiente nessa prática? inciei com uma reunião com todos os participantes do PAIF, os quais já estavam inseridos em grupos de convivência, oficinas de artesanato e grupos socioeducativos, onde divulguei a ideia e os objetivos dos projeto.

Pronto, ali nascia o Projeto RET: Recolher e Transformar ( o nome do Projeto foi escolhido pelo estagiário de Seviço Social Edriano). Iniciamos com 22 participantes.

Muitos foram os desafios, desde a logística de armazenamento e transporte dos materiais quanto a dificuldade de aceitação do projeto por parte de colegas de trabalho – hoje já conto com o apoio sistemático da equipe onde atuo.

Armazenamento: o Cras tem um salão muito amplo, e como foi previsto que o projeto receberia em média 40kg/mês entendemos, eu e a coordenadora do Cras na época, Zilda Seixas, a qual apoiou e acreditou muito no projeto, que o Cras poderia receber os materiais. Não deu certo, já no primeiro mês recebemos mais de 100kg. Onde armazenar isso tudo se o transporte seria realizado mensalmente? a ideia foi cobrir uma lateral da unidade para deixar o material, mas ao solicitar o material, fui questionada quanto: Que projeto é esse? o que tem esse tema haver com Cras? e com a psicologia?

Fui orientada a suspender o projeto até que fosse revisto e/ou providenciado um outro local. Assim prossegui, convoquei os participantes para uma reunião e expus o problema. Eis que uma participante disponibilizou uma área coberta em sua casa para continuarmos como  o Projeto. Fiquei encantada e surpresa! como assim? em tão pouco tempo os integrantes já compreenderam a importância do que estávamos fazendo? foi muito positivo observar isso, realmente algo poderia ser mudado com a ajuda daquele grupo.

Problemas como o de transporte foi resolvido com a parceria da Empresa Engecram, a qual fazia a transporte voluntariamente. Mas outras questões como falta de envolvimento da equipe, o que já era esperado, porque sabemos que a formação acadêmica não contempla e não problematiza a relação do homem com o Meio Ambiente – é tema dos cursos específicos, ainda não foram superados.

Como um profissional vai desenvolver cidadania e ter condições de promover autonomia e autogestão se ele mesmo é alheio a isso?

Assim, nossa cidadania se dá pelas metades, quem ousou dizer que meio ambiente é flora, fauna e água? Meio ambiente é onde estamos, é nossa casa, nossa rua, nossa cidade, então meio ambiente tem tudo haver como os problemas sociais (fome, pobreza, habitação…) para os quais somos convocados, enquanto executores de uma política pública, a estudá-los e minimizá-los. Acrescento ainda que a implantação da Política Nacional de Resíduos Sólidos  interfere diretamente nas famílias público alvo da proteção social. Então, precisamos todos saber sobre esta política, como cidadãos e como técncos da PNAS.

Fiquei bem contente quando assisti a uma entrevista da Tereza Campello na Globo News durante a RIO+20, onde ela falou da união das agendas social e ambiental, e da proposta do Piso de Proteção Socioambiental. Olha que interessante: “Desafio atual é não separar mais o debate ambiental do debate social, é atrasado agente pensar só meio ambiente, ou só pobreza, só tem um jeito de construir um mundo melhor que é pensando – como salvar o planeta, como construir formas sustentáveis de produção e de consumo que permitam incluir as pessoas, isso não acontecerá naturalmente, isso só acontecerá se houver uma decisão do conjunto dos atores, dos governos, dos empresários, para que agente possa de fato construir um mundo onde essas agendas se conjuguem” Tereza Campello, 2012.

Monografia Rozana Fonseca

A viabilidade e os resultados obtidos com o projeto são descritos na monografia – baixe o documento em Aquisições Sociais dos Usuários do Suas através de um Projeto de Reciclagem no CRAS de Eunápolis/Ba –

  Obrigada a todos que já se interessaram pelo projeto e pela leitura deste texto!!!

Para ver as fotos do Projeto clique: https://craspsicologia.wordpress.com/projeto-de-reciclagem-ret-recolher-e-transforma-r/

Anúncios